O direito de escolher o próprio final feliz

Geni Souza (*)

Depois do susto e da emoção com o convite da Helena Gomes para participar da coleção Contos e Contadoras, veio o momento de criar o segundo volume, Princesas, bruxas e uma sardinha na brasa – Contos de fadas para pensar sobre o papel da mulher, que escrevemos juntas. A proposta era reunir neste livro nossas adaptações de contos de fadas que tivessem elementos para o leitor refletir sobre a situação da mulher.
Durante o processo de criação, por muitas vezes pude perceber que até eu mesma caía em armadilhas de estereótipos ou características de personagens já estabelecidos. Sempre gostei de escrever e reescrever, mas nunca tive antes esse contato com a realidade através dos contos de fadas. As histórias estavam ali, por inteiro, e eu achando que não tinha mais nada para falar sobre o assunto. Mas tinha! E como tem!

Reescrever também é criar, mudar e reinventar um novo mundo. Você pode conduzir príncipes e princesas para outras batalhas, bruxos e bruxas para outros momentos das suas vidas. Reis e rainhas têm novas oportunidades. Plebeus, gnomos e até sardinhas ganham uma nova chance.

P04_1a Impressão 2016_Bruxas, fadas e uma sardinha na brasa - Arte Alexandre Camanho

Arte de Alexandre Camanho

Você tem uma bandeja de opções, várias delas, e precisa escolher qual se encaixa, qual ponto precisa de mais atenção, qual cena melhorar, qual precisa de algo a mais. São vários detalhes que, quando você acaba de escrever, até esquece que existiam versões anteriores de um mesmo conto de fadas. Aquele que você acabou de criar, em que ficou dias e dias indo dormir pensando no que fazer com determinado personagem, acaba se tornando a sua única versão.
Foram dias trabalhando histórias, cada personagem, e quando você sente que a liga finalmente pegou, agora sim, agora sua história está pronta. Sim, pois agora você já tirou da cabeça que é uma releitura e ela passa a ser para você a única e oficial.
Quando eu era criança, meu conto de fadas favorito era Cinderela. Ficava refletindo como ela sempre se esforçava para fazer o melhor, mas sempre era colocada para trás pela madrasta malvada e por suas filhas… Um contexto que eu adoraria mudar, como também quis mudar outros contextos em tantos outros contos que cresci lendo, muitas vezes me questionando sobre esses tais finais felizes que, na verdade, não eram tão felizes assim.

P04_1a Impressão 2016_Bruxas, fadas e uma sardinha na brasa

Arte de Alexandre Camanho

Em Princesas, bruxas e uma sardinha na brasa – Contos de fadas para pensar sobre o papel da mulher, publicado pela Editora Biruta, a Helena e eu tivemos como maior desafio desconstruir alguns pontos que o leitor costuma aceitar sem qualquer questionamento. Alguém perguntou para a moça se ela realmente queria ou se estava apaixonada pelo herói ao ser dada em casamento a ele? Se casar era o seu maior sonho? Nos contos de fadas, a mulher é sempre levada, conduzida para o que é visto como o melhor dos destinos. Ninguém quer saber de sua vontade real.
Nada muito diferente do que vemos nos dias de hoje. Mulheres separadas por classificações que ditam o que é o certo ou errado em seu comportamento, julgadas por suas escolhas, suas não escolhas e pelas escolhas dos outros, na maioria das vezes com consequências só para elas.
Em nosso livro, deixamos nossas princesas, bruxas e até as sardinhas terem a sua vontade respeitada. Nada de impor um final que elas não desejem.
Acredito, tanto quanto acreditei nos finais dos meus contos, que cada mulher tem o seu direito de escolha, seja nos relacionamentos, na vida profissional, sexual ou qualquer outra questão em suas vidas.
E que nada, além dela mesma, pode mudar ou escrever o seu final feliz.

(*) Geni Souza é formada em Comércio Exterior e militante feminista. Realiza atividades com o Coletivo Feminista Pagu, de Santos, litoral de São Paulo. Atua em atividades voltadas para a luta dos direitos da mulher e atividades para o conhecimento da população acerca do feminismo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s