Quando um conto encontra outro

Em voz alta, leia o mais rápido que puder e, sem pegar fôlego, assobie ao final:

“Hoje é domingo
Canta o pintassilgo
Pintassilgo é dourado
Não tem sela nem cavalo
É uma burrinha cega
Que vai daqui a Castela
De Castela a castelão
Minha avó me deu pão
Pra mim e pro meu cão
Meu cão não está aqui
Está debaixo do navio
Dá-lhe vento, dá-lhe frio
Ele toca o assobio”

E então? Conseguiu?

É difícil, mas não impossível. Eu, pelo menos, nunca consegui. Mas meu vô Chico mantinha o fôlego até terminar o assobio. Depois brincava com a gente, suas netas, rindo de nossas engraçadas tentativas para imitá-lo. Éramos pequenas e adorávamos quando ele nos contava histórias e mostrava um pouco da cultura popular de sua terra de origem, Portugal. Ele nasceu e cresceu em Freixo de Numão, Trás-os-Montes. Adulto, veio morar em Santos, a cidade brasileira que seu coração adotou. Seo Francisco Pereira morreu muito velhinho e, para mim, sempre será o melhor avô do mundo.

Além das lengalengas, como aquela que o vô Chico nos ensinou, há os contos populares de origem europeia, conhecidos também como contos de fadas, que chegaram ao Brasil recontados pelos colonizadores portugueses. Aqui, espalharam-se, receberam influências variadas e tornaram-se parte de nosso folclore. Hoje, infelizmente, andam um pouco esquecidos.

as-aventuras-do-sargento-verde_capa

Meu livro As aventuras de Sargento Verde, publicado pela editora Biruta, relembra em especial os contos de encantamento — de longe os meus preferidos —, reunidos numa proposta diferente. Tenho dois heróis, cada um tirado de um conto. O primeiro é a jovem Sargento Verde, do conto O Sargento Verde (versões de Sílvio Romero e Monteiro Lobato) ou O cavalo mágico (versão de Theobaldo Miranda Santos). O outro é o príncipe caçula de A Fonte das Três Comadres (versões de Theobaldo e de Lobato) ou A água da vida (irmãos Grimm).

Pois esses dois heróis vivem a maior parte das aventuras narradas em seus contos de origem e também das aventuras mostradas em outros, como Maria Gomes (versão de Luís da Câmara Cascudo), A lebre encantada (versões de Theobaldo e Romero), Jorinda e Jorindel e O irmão e a irmã ou O gamo encantado (irmãos Grimm). Já a trama principal que abre esta adaptação e ajuda a fechá-la está em A fada da represa do moinho (irmãos Grimm).

Ou seja, contei uma única história que contém partes de outras sete, cada uma contribuindo com a riqueza de ideias, detalhes e desdobramentos que somente a cultura feita pelo povo durante séculos é capaz de oferecer como fonte de inspiração.

ilustra1

Para mim, foi um processo trabalhoso, pois procurei preservar cada clímax menor ao mesmo tempo que criava um ritmo próprio e acentuava a intensidade da aventura para o clímax principal. Mas isso não tirou a diversão do que se tornou para mim uma desafiante brincadeira de misturar, criar e recriar contos de fadas.

Foram destas histórias que tirei minha inspiração:

O Sargento Verde / O cavalo mágico

Para não se casar com um vilão, uma moça disfarça-se de homem e entra para o exército real. A rainha apaixona-se por ela, mas, rejeitada, vinga-se inventando tarefas impossíveis que a moça só conseguirá cumprir com a ajuda de um cavalo mágico.

A fonte das três comadres / A água da vida

O filho caçula de um rei derrota um dragão para obter uma garrafa da água capaz de devolver a visão ao pai. Traído por seus dois irmãos mais velhos, o rapaz é escravizado por um lenhador até que uma reviravolta muda o seu destino.

Maria Gomes

Em um casarão quase em ruínas, uma jovem encontra um cavalo mágico. Disfarçada de homem, ela vai trabalhar no castelo, onde um príncipe consegue desmascará-la e obriga-a a se casar com ele. Um misterioso cavaleiro, no entanto, é a sua única esperança.

A lebre encantada

Durante uma caçada, um príncipe descobre um reino subterrâneo comandado por uma princesa, com quem se casa. Um dia, ele vai visitar o pai e, ao voltar, descobre que precisa libertar o reino de uma inundação e de um peixe gigante que engole a princesa.

Jorinda e Jorindel

Uma feiticeira transforma uma jovem em pássaro e aprisiona-a numa gaiola. O noivo da moça tenta resgatá-la, mas fracassa. Numa noite, um sonho revela ao rapaz a existência de uma flor púrpura, a única magia com poder suficiente para derrotar a vilã.

O irmão e a irmã / O gamo encantado

Para fugir da madrasta, um casal de irmãos vive na floresta. Transformado em gamo, o irmão passa a ser caçado por um rei, que desiste de matá-lo ao conhecer a irmã dele, com quem se casa. Invejosa, a madrasta resolve destruir a felicidade da nova família.

A fada da represa do moinho

Em troca de riquezas, um moleiro promete entregar seu filho pequeno a uma fada, porém não cumpre a sua parte do acordo. O menino cresce, torna-se caçador, casa-se e, devido a um descuido, é capturado pela fada. Agora cabe à sua esposa libertá-lo.

bolonha-sargento

As aventuras de Sargento Verde, que recebeu as lindas ilustrações da Ágatha Kretli, foi selecionado pelo programa Biblioteca Itaú Criança e, em abril, representará a literatura infantojuvenil brasileira na Bologna Children’s Book Fair 2017, na Itália. Para mim, é a prova de que as histórias de tradição oral precisam mesmo sobreviver aos novos tempos e continuar encantando as novas gerações.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s